terça-feira, 13 de março de 2007

O Messias Aproxima-se da Terra

Texto extraído de Maria de Nazaré, obra que relata frações da vida, na Terra e nessa encarnação, desse espírito que recebeu a incumbência de ser a mãe de Jesus, para tanto renunciando à sua condição angelical. Vale notar que o livro foi publicado cerca de 17 anos depois de escrito, e somente quando já decorridos dez anos do desencarne do medianeiro, ocorrido em 1991. Esclarecem os Editores que isso se deveu ao fato de a obra abordar “pontos questionados e polemizados entre as criaturas”, somente tendo a espiritualidade autorizada sua publicação em três de março de 2001: “Já está na hora de publicar o Maria de Nazaré.”


Como um corpo puramente físico poderia suportar um Espírito de alta pureza espiritual como o Cristo? As próprias leis físicas nos dão essa explicação: correntes de alta voltagem somente podem passar em fios apropriados. Um espírito da qualidade do Cristo não suportaria uma permanência em corpo de carne e osso qual o comum; ele se dissociaria imediatamente, mesmo na sua formação congênita.

O mundo espiritual estudou os meios mais apropriados para a descida do Senhor aos liames da carne, aperfeiçoando essa carne. Como? Hoje se pode analisar o que é feito na própria ciência, com a inseminação nos animais e mesmo nos seres humanos.

Já foram feitas muitas experiências de grande proveito em vários missionários da verdade que vieram a Terra, antes e depois do Cristo.
Já foram conduzidos para a Terra, por muitas vezes, esses enxertos divinos, pelos benfeitores da eternidade, de variados mundos e, geralmente, são trazidos protogametas de alto teor evolutivo que são inoculados em mulheres preparadas para tal evento, de onde deverá sair uma espécie de forma humana capaz de suportar Espírito de grande pureza.

Alguns são aproveitados no momento da cópula; outros são introduzidos com a original intervenção do homem. Exemplificando o nosso assunto, personagens de elevada evolução, como Apolônio de Tiana, o grande sacerdote da justiça em Jerusalém, Melquisedech, Krisna, Buda e tantos outros não tiveram genealogia; foram como que ensaios para que descesse o grande Mestre de todos os mestres que já vieram a Terra.

Em relação ao Messias, o caso não foi outro. Ele era de natureza humana e divina; até o seu corpo foi um bio-corpo, para que pudesse ficar entre a Terra e o céu, em completo domínio das suas atividades 'nos dois campos de trabalho, celestial e humano. Ele era Filho de Deus e Filho do homem.

Como sabes, há mundos de naturezas variadas, mundos quase fluídicos, onde a humanidade já alcançou a libertação da agressividade da matéria bruta, através da lei das vidas sucessivas e vive quase somente em espírito.

Foi de um desses mundos que se trasladou a semente purificada, de acordo com os gens maternos, para uma vida que obedecesse mais ao Espírito.
Foi de uma estrela próxima ao sistema solar, há nove anos­-luz de distância aproximadamente, que veio a semente genealógica esplêndida de perfeição, para obedecer ao acasalamento com óvulo em uma virgem, na cidade de Nazaré, que se encontrava em preparo espiritual, no afã de realizar o maior feito da história na Terra, para que as profecias fossem cumpridas e a vontade de Deus fosse realizada, no mais puro esquema de amparo à humanidade terrena...

A semente que, na linguagem científica da Terra, se chama espermatozóide – quase fluídica, foi trazida para a Terra por três Espíritos, cuja pureza os fizeram estrelas de elevada grandeza, para ser inoculada naquela que seria a futura mãe de Jesus, Maria de Nazaré, como também para dar cumprimento às profecias, de que de uma virgem nasceria o Salvador dos homens.

José ficaria como um tutor do grande Ser e a continuação da sua raça seria uma continuidade moral, pelo que ele viera trazer em favor da humanidade. Já havia sido feita a maior limpeza psicofísica de todos os tempos na atmosfera da Terra, com a neutralização dos Espíritos malfeitores, como já foi descrito.

O planeta foi aliviado das agressivas tumultuações magnéticas e um cortejo de Espíritos atuava em torno da Terra, para proteger e incentivar as idéias do Cristo, que antes mesmo dele nascer, já estavam sendo derramadas em todas as idéias humanas. O pensamento é força propulsora em toda parte, é vida estuante em todas as direções da vida!...

Altas entidades espirituais vieram trazendo, com especiais cuidados para a Terra, a semente masculina, no sentido de fecundar Maria de Nazaré, com extremo respeito e dedicação. Já haviam sido estudados os efeitos que poderiam causar a simbiose da força estelar com o óvulo materno e, diante dos efeitos que poderiam surgir, as almas integradas na ciência e no amor, tinham tomado todas as providências, para que pudessem concretizar a fecundação.

Os agentes de Deus conduziram o microgameta do ambiente estelar para a formação de um corpo perfeitamente dócil ao comando da mente daquele que iria assumir a direção de uma idéia, que os humanos ainda não entendiam e que se chama amor, aquele que transcende às conveniências dos homens e avança no tempo e no espaço, porque é a essência da própria vida...

O ambiente de Nazaré desfrutava de grande serenidade. Falanges de Espíritos elevados entrecruzavam os espaços da pequena aldeia, onde iria descer em forma de homem, o rei do mundo.
Os Seareiros do Bem, que há muito tinham iniciado os trabalhos de limpeza espiritual na Palestina, regozijavam-se de alegria, por sentirem o fruto dos trabalhos que realizavam em nome de Deus!

Maria encontrava-se no seu leito, onde tudo denunciava harmonia. Alguns antigos escritos dos profetas foram lidos naquela noite. Ela estava quase dormindo, quando pressentiu a entrada de vários, luminares da eternidade.

Um deles trazia nas mãos luminosas algo que também irradiava uma luz intensa: uma microvida de difícil observação. Com toda ternura que um santo pode manifestar, aproximou-se e a colocou, no ninho uterino de Maria, pelas portas engenhosas dos recursos divinos, com os quais somente os arcanjos de Deus sabem lidar.

O campo gerador de vida, de um amontoado de células sobrepostas com dinamismo peculiar às coisas vivas, perdeu o caráter de matéria e passou a manifestar uma aglomeração de claridades indescritíveis.

Via-se o microgameta tomar a direção do ovário, pelas vias das trompas e, à medida que ele avançava, deixava um rastro de luz no caminho percorrido. Uma luz brilhante contornava sua cabeça e derramava-se pela cauda irrequieta, que parecia acenar para aqueles que o trouxeram.

Maria foi envolvida por, uma sensação divina, entrecortada de emoções não menos elevada, como se estivesse ouvindo uma música dedilhada por artistas das estrelas. A harmonia da sua mente era uma conquista de sua consciência, em deveres retamente cumpridos na esteira do tempo.

O ovário, mostrando-se ocupado, sensibilizado pela mente instintiva de Maria, recebeu ordens e fez cumpri-las, rompendo-se como por encanto e desprendendo, por lei da natureza, um microvolume ovalado, que mostrava por dentro um núcleo de coloração pálida, seguido por uma matéria transparente.

Envolvendo-o uma chama ligeiramente avermelhada que lhe dava vida, como se fossem pés, conduzindo-o ao encontro do que seria "espermatozóide" estelar. Era um espetáculo grandioso, esse da natureza ao mesmo tempo humana e divina!...
A saber, a concepção e o nascimento de Jesus, ainda segundo os Editores
.

Nenhum comentário: