sábado, 21 de fevereiro de 2009

Qual a diferença observável entre OVNIS e aeronaves experimentais?‏

Não se iluda, nem sempre é fácil para pessoas inexperientes identificarem uma aeronave ao longe: jà vi um piloto com mais de 8 mil horas de vôo se enganar!!! Não tem jeito: sem conhecer ao menos um pouco mais sobre tecnologia aeroespacial não dá. As luzes da aviação podem ser um bom começo para conhecer.

"Os aviões geralmente chamam a atenção das pessoas pelas suas luzes, principalmente à noite. Algumas fixas, outras piscando continuamente. Na verdade, cada luz que vemos nas aeronaves tem uma finalidade específica, o local onde está instalada, sua cor, a intensidade de luz que emite, obedece a padrões preestabelecidos em normas internacionais.

As luzes na aviação se dividem em dois sistemas: sistema de iluminação interna e sistema de iluminação externa. Farol de táxi, faróis de aterragem, luzes de navegação (ou posição) e luzes anticolisão, são os principais conjuntos que compõe o sistema de iluminação externa das aeronaves.

Há outros que podem variar de acordo com o modelo e o emprego a que se destina a aeronave. Dentre estes, podemos citar as luzes de inspeção do trem de pouso, que possibilita ao piloto em vôo confirmar visualmente se o trem está baixado e luzes de formação, utilizadas, por exemplo, nos Tucanos da esquadrilha da fumaça, para facilitar o vôo em ala à noite.

Não é, porém, somente à noite que as luzes das aeronaves são utilizadas. Os faróis de pouso mesmo durante o dia devem ser acesos nos procedimentos de pouso e decolagem e as luzes anticolisão devem estar ligadas sempre que a aeronave estiver em operação, mesmo que seja um giro de manutenção no pátio de estacionamento.

O movimento padrão dos aviões também dão dicas. Observe as principais rotas e os pontos de espera onde eles ficam virando esperando a liberação do tráfego. Tenho notado mais engano com relação a aviões quando eles ficam voando longe, no horizonte, e viram os faróis para o observador, parecendo um vôo pendular, mas é apenas projeção da perspectiva do movimento.

A questão do som também é um bom indicativo. Quase todos nós conhecemos os ruídos típicos dos aviões. Se começar a se interessar pelo assunto, como eu, com o tempo poderá identificar, inicialmente os tipos: pistão, turbohélice e jatos, mono ou bimotores e mais adiante, até a marca e o modelo do avião pelo barulho que ele produz.

Importante: A direção da propagação do som depende da temperatura e pressão. Um jato pode passar acima de sua cabeça em aparente total silêncio, sendo todo o ruído dirigido para outras bandas! Além disso, jatos costumam voar a mais de 10km de altitude e a mais de 850km/h, portanto o som chega defasado até nós, atrasando a audição e alterando a frequência (mais grave ou mais agudo).

Causa engano também a fumaça (na verdade cristais de gelo) que os jatos deixam dependendo da temperatura e altitude em que estão. Lembre-se que a grandes altitudes a temperatura pode chegar a
56
graus negativos. O querosene (combustível) são não congela por causa do atrito das asas com o ar que gera algum calor (além dos sistemas de segurança redundantes próprios da aeronave).

Quando os gases quentes da turbina escapam na atmosfera, provocam alterações súbitas que "condensam" a umidade do ar, cristalizando-se em gelo por causa do frio intenso. É a extensão da fumaça que engana algumas pessoas. Afirmam tratar-se de OVNI em forma de cometa, pois enxergam apenas uma cauda branca mais ou menos curta seguindo um pontinho escuro.

Parece mesmo um cometa, mas é que por causa da pressão e temperatura local, os cristais de gelo se desfazem em menos tempo. Muito mais erros causam os balões. Cilíndricos, curtos, longos, abaulados, esféricos, poliédricos, coloridos, transparentes, negros, brancos, cinzas, luminosos, escuros; para todos os gostos e ocasiões.

Podem ser um pouco rápidos, lentos, parados, subir, descer, mudar a trajetória etc. Aliás, o que o faz pensar, caro Wilson, que o OVNI descrito por você não era um balão? Para identificar só prestando atenção por um bom tempo, aguardando um movimento brusco ou qualquer evento que indique que ele não está ao sabor dos ventos.

Certa vez, aqui em Piracicaba, eu estava na casa de um ufólogo, grande amigo, que já tinha escrito dois livros e mais de 30 anos de pesquisa nas costas. Ao sair para fora da casa, vimos um OVNI em formato trapezoidal com movimentos de zig-zag a uma altura de aproximadamente 50 metros ou menos.

Não era muito grande e parecia se deslocar numa determinada direção. Entramos no Millennium Falcon, apelido que demos ao carro daquele ufólogo, um valente VW TL e partimos, com ele dirigindo, em altíssima velocidade pelas ruas e avenidas do bairro.

Eram cerca de 16 horas de um dia ensolarado. A pouco mais de 1 quilômetro da residência havia um grande terreno formado em pasto, foi onde vimos o OVNI pousar. Um menino de cerca de 12 anos o pilotava. Era um Pipa em formato de múltiplas células, ainda hoje pouco comum por aqui.

O experiente ufólogo olhou para mim, nós dois com cara de bobos, e disse: Nem mais uma palavra sobre isso! Estou contando agora (rs ) Nome daquele ufólogo? O querido Professor Renato Lourenço Costa. Este caso engraçado ilustra como é fácil se equivocar, sejamos leigos ou não.

Já as aeronaves experimentais de última geração, quase sempre são notícia antecipada nos veículos de publicação especializada, onde se expõem os comportamentos destes novos objetos, tripulados ou não. Os ufólogos normalmente acompanham estes avanços tecnológicos para orientar a população que sempre os procuram (ainda que não sejam remunerados para isso).
O mais importante é considerar a hipótese extra-terrestre como a última e não ter pressa de apresentar uma "conclusão definitiva".
Edson Zanin Barbosa
Leia o mais em:
http://www.eletroleve.com.br/database_images/luzesanv.pdf

Um comentário:

Gisele disse...

Olá querida, estou te linkando e indicando ao premio dardos, seu blog é muito bom e me identifico bastante com ele... passa lá no meu blog rcopie e sole o selo e veja como participar da campanha do premio dardos. bjinhos emuita luz pra vc!

Gisele.

www.filosofia esoterica.blogspot.com